A importancia da comunicacao na carreira

Do ponto de vista profissional, qual a real importância da comunicação?

Mario Persona: A boa comunicação é ferramenta essencial para qualquer profissional. E isso não só para obter benefícios diretos para sua carreira, mas até para desempenhar seu papel na função que exerce. Há pessoas com uma excelente bagagem que não conseguem passar para uma posição de gerência por absoluta falta de comunicação. Como poderão dirigir pessoas se não sabem como transmitir a elas o que desejam, suas metas, diretrizes e expectativas de desempenho?

Ser palestrante

Fui entrevistado pela revista Recall sobre minha atuação como palestrante para uma matéria sobre as atividades dos palestrantes com o título "Mercado de palestras está em plena expansão". A matéria saiu na versão impressa da revista e trouxe também depoimentos de palestrantes como Luiz Almeida Marins Filho e Nelma Penteado. A íntegra do que conversei com a revista você encontra aqui.

Relacionamento com clientes internos

O que fazer com aquele colega de trabalho que é intransigente, intolerante e acha que sabe mais do que todo mundo?


Mario Persona: No novo ambiente de trabalho não existe lugar para intransigência e intolerância. Mas, é claro, existe lugar para aqueles que sabem muito, desde que não venham acompanhados de um ego maior que a própria empresa. Não vejo nada de errado na existência de "estrelas" no ambiente de trabalho, desde que sejam reconhecidas como tal pelos colegas ou clientes. O problema é quando o próprio profissional se acha estrela ou melhor do que todos e, pior ainda, quando não é nada disso.

Gestao de mudancas na empresa

O que significa Gestão de Mudanças?


Mario Persona: Uma empresa funciona como uma orquestra, com diferentes músicos e instrumentos que, juntos, produzem uma melodia coesa. Para que não vá cada um para um lado — para que todos mantenham o mesmo compasso — há um maestro segurando a coisa toda na batuta. Talvez a orquestra consiga tocar sem maestro uma obra simples e sem grandes reviravoltas ou altos e baixos. Toca com menos qualidade, mas toca.

Agora imagine uma dessas sinfonias complexas, em que tudo muda rapidamente, entram instrumentos e saem instrumentos, o ritmo acelera, pára, volta lento, dispara febril e assim por diante. Sabe o que acontece se não existir um bom maestro? Um desastre! Na dinâmica com que as coisas acontecem, dificilmente todos serão capazes de se manter no compasso.

Há alguns anos as empresas tocavam música lenta, sem grandes nuances, e com um deslize aqui e outro ali, até era possível tocar o negócio. Hoje não. As mudanças estão acontecendo a ritmo de caixa e é preciso acompanhar as mudanças. O papel da gestão de mudanças é justamente gerir isso, dirigir a orquestra para que todos mudem na hora certa e da maneira correta.

Quando a empresa decide que tem de mudar. Qual deve ser a sua principal preocupação?


Mario Persona: Primeiro deve certificar-se de que todos estejam bem informados das mudanças. Um grande erro que encontro nas empresas é a mudança imposta, de cima para baixo, sem que a equipe tenha qualquer idéia do que esteja acontecendo. É o maestro que troca de música sem entregar as novas partituras aos músicos. Todos se sentem perdidos. Tentam acompanhar, mas vira uma bagunça generalizada. Portanto, antes de mudar é preciso informar. Comunicação vem antes da mudança propriamente dita.

Por que surgem estas mudanças?


Mario Persona: É o ambiente que determina quando devemos mudar. Mudanças na empresa são respostas às circunstâncias. Você veste um casaco porque o tempo mudou, pega o guarda-chuva para sair porque a chuva cai e por aí vai. Não há como mudar as circunstâncias — chuva, frio, calor, neve — mas há como mudar o modo como você interage com essas circunstâncias, se defende das ameaças que representam ou as utiliza como alavanca para novas oportunidades. Vender guarda-chuva, por exemplo. O ambiente de negócios é mutante e cada vez mais dinâmico nessa capacidade de mudar. Cabe à empresa saber como gerir as mudanças internas para acompanhar as mudanças externas.

Como preparar as pessoas e a organização para estarem prontas a mudar sempre?


Mario Persona: Primeiro é preciso mudar as pessoas. Ou as pessoas mudam ou são mudadas, trocadas por outras. Nem todos estão prontos para acompanhar mudanças. O medo de assumir riscos é um problema na hora de mudar. Por isso é preciso criar uma equipe, digamos assim, valente, corajosa. Já percebeu quantas empresas hoje utilizam essas dinâmicas ao ar livre, subir em árvores, descer por corredeiras, escalar montanhas? Isso ajuda a desenvolver um senso de ajuste rápido ao ambiente externo. Ou você se ajusta rapidamente ou cai da árvore quando o galho quebra.

É de pessoas assim que as organizações precisam. Acredito que profissionais que hoje são bem-sucedidos talvez não o fossem no passado e vice-versa. É que numa época em que as coisas andavam mais devagar, aqueles que vivem em constante mutação não se adaptavam à mesmice da empresa. Hoje quem não se adapta é o batedor de carimbo.

Como a empresa deve fazer para conseguir a adesão total dos funcionários?


Mario Persona: O comprometimento você consegue não tentando convencer a equipe a vestir a camisa da empresa, morrer pela logomarca ou derramar o sangue para fazer o patrão ficar mais rico. É tolice pensar que as pessoas sejam motivadas por coisas desse tipo. Talvez na guerra você consiga isso porque existe o sentimento de patriotismo, mas esse tipo de coisa é difícil de acontecer se a sua empresa não for, por exemplo, algum ícone excepcional como uma Harley-Davidson.

Numa empresa normal, que não tenha uma marca que seja um ícone de mercado ou uma logomarca que os colaboradores estejam dispostos a tatuar, as pessoas trabalham por dinheiro, prazer e prestígio para elas em primeiro lugar. Se a empresa ganhar mais dinheiro e prestígio significar também dinheiro e prestígio para as pessoas que trabalham nela, então elas irão entender essa linguagem. O comprometimento vem quando o colaborador entende que o seu desempenho significa ganho para si e que a empresa é seu grande cliente, aquele que irá recompensá-lo melhor se ele for melhor. Amanhã ele pode até trocar de "cliente", mas o comprometimento permanecerá.

Assim como a empresa é seletiva na contratação de seus "fornecedores", ou dos colaboradores que trabalham nela, um bom colaborador é seletivo na escolha de seu "cliente". É uma via de mão dupla. Uma boa empresa quer bons colaboradores e um bom profissional quer trabalhar numa boa empresa. A primeira deve ter algo que atraia os melhores talentos e o segundo deve ter algo que as empresas desejem. Uma equipe inapta pode significar que a empresa não esteja sabendo recompensar à altura - e pagamento não é só dinheiro, mas em prazer e prestígio - sua equipe. Aí ela só atrai o que o mercado não quis, o refugo formado por pessoas insatisfeitas que empurrarão o trabalho com a barriga.

Sem essa adesão dos funcionários, as mudanças que a empresa quer implementar podem ser um fracasso?


Mario Persona: Sim, porque uma empresa é formada por seus colaboradores. O resto são as máquinas, as instalações, os processos. Não se faz uma empresa sem gente. Ainda que seja 100% automatizada, sempre será preciso alguém que aperte o botão. Se não apertar, tudo pára.

Uma área vital é o RH, que deve saber escolher qual o melhor perfil para uma época de mudança constante. Porém, prepare-se para descobrir que os melhores profissionais para tempos de mudança geralmente são profissionais que também mudam com muita facilidade e freqüência. Quando a empresa onde eles estão começa a diminuir o ritmo, eles já estão de olho onde as coisas acontecem a par e passo com a realidade dinâmica do ambiente exterior.

Quais os instrumentos para motivar a todos para esta mudança? (comunicação, tecnologia etc)


Mario Persona: Como disse, dinheiro, prazer e prestígio. Tecnologia, por si, só pode motivar meia dúzia de aficionados por ela, mas a maioria estará mais interessada naquilo que a tecnologia pode fazer por eles, trabalhar com maior facilidade, por exemplo. Saber que se a empresa crescer eu cresço é essencial. Você falou em comunicação e isso é vital. É incrível ver quantas empresas você encontra por aí nas quais a direção já resolveu todo o caminho a seguir e abaixo dela ninguém tem idéia do que esteja acontecendo.

Outra coisa importante é informação. Não basta comunicar mudanças se as pessoas não estão informadas da razão das mudanças, de como o mundo está lá fora. Com o tempo a empresa pode estagnar olhando para o umbigo, por isso é importante que sejam trazidos com freqüência profissionais de fora, consultores, treinadores, palestrantes, para que a equipe esteja informada sobre as mudanças no ambiente exterior à empresa ou o que os outros estão fazendo.

A gestão de mudanças é algo complicado?


Mario Persona: É se não existir uma pessoa ou uma equipe especialmente designada para isso. Também complica quando a direção não está aberta às mudanças, principalmente àquelas que possam ser sugeridas por quem está em um nível abaixo da gerência, na produção ou em contato com o cliente. Todos precisam ter liberdade de sugerir mudanças e as opiniões devem ser ouvidas se o objetivo for tornar a empresa "permeável" ao novo. Uma injeção de novos talentos de vez em quando também pode ser importante para a equipe como um todo.

As pessoas têm medo do novo?


Mario Persona: Sim, porque mudar significa trabalhar mais, sair da zona de conforto. É por isso que engordamos com tanta facilidade, porque para emagrecer é preciso mudar de hábitos, mudar de lugar, mudar de vida. A empresa fica obesa se permanecer como está e acaba morrendo do coração com os sustos que o mercado dá. É disso que costumo falar em meus livros. "Gestão de Mudanças em Tempos de Oportunidades" é um deles que tem tudo a ver com este tema, mas os outros, em especial "Marketing de Gente" e "Dia de Mudança", também mostram a importância das pessoas no processo de mudança e no acompanhamento da dinâmica do mercado.



Entrevista concedida à Revista Profissional & Negócios em 23/05/2005. Entrevistas como esta costumam ser feitas para a elaboração de matérias, portanto nem tudo acaba publicado. Eventualmente são aproveitadas apenas algumas frases a título de declarações do entrevistado. Para não perder o que disse na hora e posso nunca mais conseguir dizer, costumo gravar ou dar entrevistas por escrito. A íntegra do que foi falado você encontra aqui.

Postagens populares

O palestrante Mario Persona fala de Criatividade, Carreira, Comunicação, Marketing & Vendas em entrevistas para jornais, revistas, sites e emissoras de rádio e TV.